Coronel Chagas: “Não é mais possível testemunhar tantas barbáries e ficar de braços cruzados”
Coronel Chagas: “Não é mais possível testemunhar tantas barbáries e ficar de braços cruzados”

MORTE NA VENEZUELA – Deputado Chagas cobra mais segurança aos turistas

A morte do empresário brasileiro Ernandes da Silva Gomes, Dinho, assassinado brutalmente com um tiro de escopeta no ultimo sábado, dia 16, entre as cidades de Anaco e El Tigre, na Venezuela, levou o deputado estadual Gerson Chagas (PRTB) a se pronunciar duramente cobrando explicações das autoridades daquele pais sobre providências que garantam a segurança dos turistas brasileiros, sobretudo roraimenses e amazonenses, que se deslocam todos os anos em feriados prolongados e períodos de férias, principalmente para a Ilha de Margarita.

Coronel Chagas: “Não é mais possível testemunhar tantas barbáries e ficar de braços cruzados”
Coronel Chagas: “Não é mais possível testemunhar tantas barbáries e ficar de braços cruzados”

O parlamentar fez um relato emocionante sobre a vida de Dinho, sua dedicação à família, o hábito de sempre cultivar amigos, mas lamentou profundamente o fato ocorrido segundo ele por pura negligência do governo venezuelano que não consegue conter a violência interna, sobretudo nas rodovias federais.

“Os roraimenses, como nosso querido irmão Dinho, não podem pagar com a vida à essa fragilidade da Venezuela. Nós representamos parte significativa da economia daquela país, portanto merecemos mais respeito e garantias de segurança”, diz o parlamentar.

Chagas disse que apesar de muitos encontros entre os dois governos, na tentativa de melhorar as relações bilaterais entre os dois países, os casos de extorsão, violência física e psicológica, ameaças, assaltos e intimidações ocorrem com frequência principalmente no trecho da rodovia que corta a Venezuela nos estados de Bolívar e Anzoátegui.

“Não se pode mais permitir que as relações de brasil e Venezuela continuem sendo discutidas entre Caracas e Brasília, Caracas e São Paulo, em gabinetes fechados, quando na fronteira dos dois países, permeia a desordem”, observa o parlamentar.
Há décadas, segundo ele, o sul da Venezuela, a região mais pobre daquela pais, é praticamente mantido por brasileiros que se deslocam para Santa Elena de Uairém e ali deixam milhões de dólares todos os meses. “E por quê os brasileiros do norte teimam em ter a Venezuela, sobretudo a Ilha de Margarita como destino para seu lazer, férias e passeios em feriados prolongados?”, questiona o parlamentar.

Incrível, os venezuelanos quando vem ao nosso Estado, Roraima, sua principal porta de entrada por via terrestre para o Brasil, são bem tratados. Nós costumamos recebe-los bem, porque enxergamos nesse intercambio fontes de renda para nosso comércio e ao mesmo tempo um reforço em nosso relacionamento bilateral. Há décadas essa relação se fortalece, pelo menos é o que imaginamos. Mas a Venezuela tem sido ultimamente um pesadelo na vida de que tem o pais vizinho como destino para repouso e lazer.

“Eu sinceramente não quero aqui abrir uma frente de boicote aos irmãos venezuelanos nem ao nosso pais vizinho. Mas o mínimo a ser feito é exigir das autoridades da Venezuela uma explicação e um pedido de satisfação sobre as providências a serem urgentemente adotadas quanto à segurança dos turistas brasileiros no país vizinho”, diz ele.

Chagas reconhece que as relações entre os dois países melhoraram muito, mais por conta dos encontros bilaterais entre os governos dos estados de Roraima e o vizinho estado de Bolívar, sempre acompanhados pelas chancelarias dos dois países, que mesmo pelo empenho diplomático de cumprir as regras do mercado comum.

Uma prova disso é a diminuição das exigências aduaneiras e a não-exigência de carimbos e vistas de passaportes em inúmeros postos ao longo da estrada rumo a margarita. Hoje, viaja-se com a carteira de identidade. “O problema está em algo que o governo venezuelano ainda não conseguiu conter: a corrupção de setores da guarda nacional e da polícia estadual do estado de Anzoategui, que humilham, ameaçam e extorquem os turistas brasileiros a todo instante”, denuncia.

Mas chagas acha que está na hora do governo da Venezuela tomar vergonha na cara e tratar de assumir a responsabilidade de garantir segurança aos milhares de brasileiros que se deslocam para lá todos os dias. Segundo ele são pelo menos 3 mil por mês, é bom registrar , só por via terrestre partindo de Roraima.

Chagas finaliza dizendo “que enquanto o comércio no atacado prospera, no varejo, parecemos de costas um para o outro. Venezuela e Brasil não conseguiram humanizar suas relações. E os roraimenses, como nosso querido irmão Dinho, não podem pagar com a vida à essa nossa negligência. Chega da truculência, do desrespeito, das humilhações, dos constrangimentos e de toda outra forma de injustiça contra o nosso povo”.

Ao final do pronunciamento, o deputado Chagas solicitou do presidente da Assembleia, Chico Guerra, a criação de uma Comissão Especial Externa com o objetivo de colher informações, realizar encontros bilaterais e formular um documento em que cite todos os problemas vividos hoje por brasileiros na fronteira e dentro da Venezuela.

“O Governo do Estado está fazendo sua parte. Nós também temos que nos envolver nessa questão. Porque não podemos mais permitir que vidas sejam ceifadas com frequência, pessoas sejam violentadas, molestadas, assaltadas e extorquidas e a gente aqui assistindo a tudo de braços cruzados. Temos que nos posicionar e pedir providências”, disse Chagas.

FONTE: ASCOM DO PARLAMENTAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here