Alberto Gigante, diretor do Sindicato dos Trabalhadores do Município de Divinópolis e Região, representando a diretoria da entidade parabenizou os vereadores que votaram contra o projeto 019/2013 – Gigante disse: “Parabenizamos os vereadores Adair Otaviano (PMDB), Anderson Saleme (PR), Dr. Delano Santiago (PRTB) e Edmilson Andrade (PT), pelo comportamento adotado no momento da votação do projeto do prefeito que criou novos cargos de confiança na Prefeitura, a ser oferecidos aos cabos eleitorais que ajudaram Vladimir conquistar o seu segundo mandato e foram os únicos vereadores que votaram contra o projeto, em defesa da moralidade na política de Divinópolis”

Dr. Delano Santiago 2

Para Dr. Gigante, estes vereadores mostraram seriedade e respeito pelo orçamento público de nossa cidade, uma vez que Vladimir esta nomeando vários políticos aliados de outras cidades do centro-oeste para ocupar cargos e receber salários na Prefeitura de Divinópolis.

Dr. Gigante, que teve uma passagem elogiável pela Câmara Municipal, lamentou que os demais vereadores não entenderam a importância do que estava em discussão. Para ele, com a aprovação do projeto, os vereadores deram um cheque em branco para o prefeito, e não foi para isto que os eleitores depositaram neles a sua confiança.

Levantamentos preliminares alertam que, com as indicações de aliados políticos para todos os cargos de confiança, a Prefeitura de Divinópolis terá um gasto extra de cerca de R$ 50.000.000,00 (cinqüenta milhões) até o final do mandato de Vladimir. É uma incoerência, pois o prefeito sempre alega falta de dinheiro, toda vez que a população reclama da péssima qualidade dos serviços públicos oferecidos.

Analistas políticos têm outra leitura. Para eles, o prefeito está usando o dinheiro público para pagar parte da campanha eleitoral que o reconduziu à chefia do executivo. E agora, com a nomeação de chefes políticos residentes em outras cidades do centro-oeste, Vladimir já prepara para ajudar a reeleger os deputados que o apoiaram na eleição do ano passado.

É triste ver a coisa pública ser tratada como privada. Literalmente.

Fonte: Divinews

Imagem: G37