Com imbróglios legais e com dúvidas sobre a real situação de sua saúde, o ex-governador Joaquim Roriz (PRTB) voltou à cena política para disputar mais uma eleição a governador. Com tantas perguntas a serem respondidas até junho do ano que vem, o ex-chefe do Executivo local já teria um Plano B para o caso de não poder ser ele o concorrente ao Buriti: sua filha mais nova Liliane Roriz, do mesmo partido.

Ao firmar acordo para entrar no PRTB, coordenado pelo ex-senador Luiz Estevão, Roriz teve como garantia o poder sobre composição das chapas majoritárias, que deverão ser usadas para formar alianças.

Liliane RorizEvitar desgastes

Com essa prerrogativa dentro da sigla, poderá evitar desgastes, como ocorreu em 2010, quando se retirou da disputa para não ser pego pela Lei da Ficha Limpa durante a campanha. Terá como alternativa a própria Liliane, que poderá concorrer como cabeça de uma chapa de oposição ao governador Agnelo Queiroz (PT) ou mesmo a vice.

Por ora, a  distrital nega que vá para o embate, mas já admite a possibilidade de concorrer. “Ainda há um longo caminho. Por enquanto, sou candidata a distrital. Agora, se existir possibilidade de meu pai não poder disputar e formarmos uma grande aliança para tirar o PT do governo eu concorrerei”, afirma.

Liliane vê com bons olhos a formação de coligações com partidos que queiram a saída da atual gestão. Admite até ser candidata a vice em siglas como o PSB do senador Rodrigo Rollemberg. “Meu foco é uma coligação com qualquer partido que seja contra o governador Agnelo Queiroz”, condiciona Liliane.

Transferência de votos

Entretanto, sabendo do interesse de vários dos candidatos que querem ascender ao Buriti, a herdeira do clã mais tradicional da política local alerta: ter o apoio de Joaquim Roriz não significa que seus votos  serão transferidos automaticamente. “A herança política do meu pai não será passada para qualquer pessoa. É fruto do trabalho dele, de anos, por esta cidade”.

 Ex-governador tenta negociar uma coligação

A amigos e pessoas próximas o ex-governador Joaquim Roriz só fala em sua candidatura e frequentemente interpela seus assessores sobre notícias de outros possíveis candidatos e pesquisas que tenham seu nome entre os concorrentes. “Ele está conversando com todos os partidos e candidatos que sejam de oposição. Ele quer tentar formar uma unidade que seja capaz de vencer o governo que está ai”, conta uma amiga da família. …

O objetivo do ex-governador e formar uma ampla base oposicionista no DF, não só no plano local, mas nacional, que vença o governo de Dilma Rousseff.

Projetos de peso

Mesmo que para muitos as eleições já tenham começado, Liliane alerta que os distritais ainda têm que prestar atenção aos projetos que votarão nos meses que restam para o pleito de 2014 e as consequências que trarão para o Distrito Federal. “Ainda temos projetos importantes que entraram em pauta nos próximos dias, como a Luos (Lei de Uso e Ocupação do Solo) e o PPCUB (Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília), que podem mudar a cidade. Teremos de lutar contra o governo, pois há muitos interesses por trás deles”. 

Como aproveitar um patrimônio eleitoral:

1- A família Roriz calcula que pode contar com 35% dos votos do Distrito Federal. Isso representaria um patrimônio eleitoral em torno de 650 mil votos, caso não se levem em conta as ausências, mais os nulos e os brancos.

2- Não se trata de uma estimativa irrealista. Na eleição passada, mesmo após uma campanha para lá de tumultuada após a desistência do marido, dona Weslian Roriz alcançou 440 mil votos. O próprio Roriz ganhou as quatro eleições majoritárias que disputou no Distrito Federal, embora duas delas fossem decididas no sufoco, em segundo turno.

3- Um desafio será formar aliança capaz de garantir tempo de rádio e televisão. O nanico PRTB não terá sequer meio minuto no ar, caso concorra sozinho. Roriz bem que tentou  partidos maiores, como PSD ou DEM, mas não conseguiu as garantias de que precisava.

4- Há um argumento adicional para a opção pela filia Liliane. É que, como ela própria lembra, não há garantias de que os votos sejam transferidos automaticamente a qualquer outro candidato.

Fonte: Blog do Edson Sombra

1 COMENTÁRIO

  1. O PRTB de Valparaíso de Goiás na pessoa de seu presidente Antonio Dias do Nascimento(Totó) e do Jornal Cometa, nos colocamos à disposição tanto para divulgação de matérias ou para 2014, haja vista quem em Valparaíso existe uma grande quantidade de eleitores de Brasília e a previsão é que até o final desse ano ainda chega mais famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here