O presidente nacional do PRTB, Levy Fidelix, revelou nesta terça-feira (21), em João Pessoa, que vaio disputar pela terceira vez a presidência da República nas eleições de 2018. “É o meu foco, meu objetivo de vida e vou continuar perseguindo”, disse Fidelix ao prometer não desistir nunca de sua intenção.

Em entrevista ao Correio Debate, Levy Fidelix, que se encontra na Paraíba, auferindo e fiscalizando o desempenho do PRTB estadual, revelou que pretende reunir os pequenos partidos em torno de sua candidatura a fim de aumentar seu tempo de propaganda eleitoral no rádio e na TV. “Em 2018 minhas chances vão aumentar”, acredita.

Fidelix disse que a Operação Lava Jato (a maior investigação de corrupção e lavagem de dinheiro que o Brasil) trouxe visibilidade ao país e mostrou ao eleitor quem que realmente trabalhar pelo país.

O presidente do PRTB também acredita que com a minirreforma política adotada a partir das eleições de 2016, ele leva vantagem sobre as grandes legendas: “Eles (os grandes partidos) não sabem trabalhar com pouco dinheiro”, disse Levi ao revelar que em 2012 o PRTB gastou apenas R$ 350 mil contra, por exemplo, R$ 350 milhões do PT.

Levy Fidelix também emitiu conceitos sobre o lançamento de candidaturas pelos chamados partidos nanicos, particularmente a do deputado Jair Bolsonaro. “É um radical de direita e agressivo”, disparou.

Se chegar ao poder, Fidelix promete, em seu primeiro ato, transformar o Bolsa Família, chamada por ele de política e eleitoreira, em um novo programa: Salário Família Integral. A ideia, segundo ele, é conceder o pagamento de um salário mínimo às famílias contempladas, mas elas terão que prestar serviços comunitários. “O trabalho dignifica o homem”.

O presidenciável disse ainda que não pretende impor restrições ao movimento LGBT, segmento que já o processou sete vezes, desde que cada um fique na sua.

O presidente do PRTB também emitiu opinião sobre a operação Carne Franca, que investigou empresas do setor alimentício envolvidas em um esquema de corrupção que liberava a comercialização de alimentos produzidos por frigoríficos sem a devida fiscalização sanitária, fez mal ao Brasil. “A Polícia Federal fez o jogo internacional para se tirar o Brasil da concorrência na comercialização de carne”, disse Fidelix que prevê o agravamento e o desemprego do setor.

Com informações do site “Paraíba” emhttp://www.paraiba.com.br/2017/03/21/32218-levy-fidelix-se-diz-candidato-a-presidencia-condena-a-operacao-carne-fraca-e-se-manifesta-sobre-o-lgbt